NS

NS

24 de jun de 2008

Nem Esquerdas nem Direitas

Pois é, hoje enquanto lia alguns dos discursos de Primo de Rivera, o nosso fundador, achei este seguinte apontamento bastante interessante e no qual eu me revejo profundamente. Aqui vos deixo este seguinte extracto e depois leiam-no e reflictam…
“Os partidos de Esquerda vêem o homem, mas desenraizado. A constante das esquerdas é a preocupação pela sorte do individuo contra toda a arquitectura politica, como se fossem termos contrapostos. O esquerdismo é, por isso, dissolvente e corrosivo; é irónico e, estando dotado de uma brilhante colecção de capacidades, está, apesar disso, muito virado para a destruição e pouco para a construção. O direitismo, os partidos da direita, foca o panorama pelo outro lado.
(…)O direitismo quer conservar a Pátria, quer conservar a unidade, quer conservar a autoridade; mas desinteressa-se da angustia do homem, do individuo, do semelhante que não tem de comer.
Esta é a verdade rigorosa e muitos encobrem a sua insuficiência com palavreado: uns invocam a Pátria sem a sentir nem a servir; os outros atenuam o seu desdém, a sua indiferença pelo problema profundo de cada homem, com fórmulas que na verdade não são mais do que envólucro verbal sem significado. (…)”

José António Primo de Rivera, extracto do Discurso pronunciado no Circulo Mercantil de Madrid em 4 de Abril de 1935.