NS

NS

22 de jul de 2013

O fracasso da I República


(Túmulo de Machado Santos, Cemitério do Alto de S. João)

Em 30 de Julho de 1915, Carlos da Maia, destacado republicano e á época governador de Macau, desiludido com o rumo do regime que ele próprio ajudara a fundar escrevia nestes termos a Machado Santos, fundador da República e herói da Rotunda, defensor de uma república nacionalista, antipartidocrática, antiparlamenatarista, colonialista e corporativista, que com ele viria a perecer na tristemente célebre "Noite sangrenta" de 19 de Outubro de 1921, uma data vergonhosa para a nossa História recente, quando uma nação inteira nada fez para salvar os seus heróis.
Foram talvez palavras destas que mais tarde se revelariam proféticas para que depois duma longa e quase sempre sombria república maçónica uma radiosa aurora de ressurgimento nacional trouxesse de novo e de forma firme a bonança de que a nação precisava.
Carlos da Maia cedo compreendeu que a república estava longe de ser aquilo que ele e outros tinham sonhado, traduzindo o seu desencanto nestas palavras: "A República falhou! Só temos que esperar dias tristes. O Parlamentarismo é uma ficção, uma burla sem nome.
O nosso povo, inconsciente e analfabeto, não merecia a República.
Triste mas dura realidade."

Raúl Navarro
(Autor do blogue)